TÚNEL DO TEMPO

 

 Jogando ao lado dessas duas feras não tinha como não marcar os gols que marquei para o Operário (41) e o União (199). O Bife além de ser um craque que atraía a atenção dos adversários e marcava gols, ainda atuava dando assistência para os nossos gols. O Ruiter tinha a genialidade que comparo a outros craques como Gérson, Pita, Ailton Lira, Rivelino e outros dessa categoria. Ele conseguia nos deixar na cara do gol com tanta magia no seu toque que não tinha como perder o gol. Não tinha outro jeito senão valorizar o seu passe e mandar  a bola para as redes. Foi mais fácil ser artilheiro jogando ao lado desses mitos do nosso futebol do que em outros clubes pelos quais atuei no Brasil. A minha reverência a esses dois maiores ídolos do futebol mato-grossense com os quais tive a honra de compartilhar inesquecíveis momentos.