VERDADEIRO PERDÃO

Silhouette of Man Praying at Dusk
Silhouette of Man Praying at Dusk

O perdão derruba barreiras,

Ele ocorre de duas maneiras.

Cada um tem sua razão,

Perdão de lábios ou de coração.

 

 

Creio não ter modos sábios

Quem perdoa somente de lábios.

Pois quando o mal nos acontece,

Ele diz: “ele bem que merece”.

 

 

O verdadeiro perdão,

É quando de coração,

Esse ato é consagrado.

 

 

Qualquer que seja a ofensa,

Nela já não se pensa,

Pois é parte do passado.

VIAJOR

viajante

De muito longe venho,

Solidão é o que mais tenho.

Há tristeza no meu canto,

Na face rola o pranto.

 

Já labutei no engenho,

Lá foi duro o meu empenho.

Mas se não como do que planto,

Nessa vida não sou santo.

 

Já procurei o amor,

Já tentei fugir da dor,

Não sei mais o que fazer.

 

Então peço ao Criador,

Que dê a esse viajor

Um cantinho pra morrer.

VOCÊ ESTEVE EM MINHA CAMA

 voce-na-minha-cama

Já é noite alta. Em casa ela sonha,

O seu perfume permanece em minha fronha.

Faço dessa cama o nosso ninho,

Ainda sinto no meu corpo o seu carinho.

 

O sono não vem. Dormir não consigo,

Ainda quero os momentos que tive contigo.

Busco algo que tenha perdido, não adivinho,

Procuro algo que tenha deixado no linho.

 

A cabeça de lembranças cheias,

Diviso num olhar as suas meias,

Ali tão perto, no meu chão.

 

E pensar que a tudo isso fiz jus,

Tanto o corpo como os pés tão nus,

Sentiram o suave toque dessa mão.

VOLÚPIA SEXUAL

volupia

Sinto um desejo imoderado,

Quero você ao meu lado.

Somente por ti ver

Já sinto um imenso prazer.

 

Sinto uma atração fatal,

Algo mais que sensual.

Basta o toque de sua mão

Pra disparar meu coração.

 

Sinto um desejo profundo,

Diferente de todo mundo

Que parece até anormal.

 

Eu sinto de tal maneira,

Mas somente pela parceira

Tenho essa volúpia sexual.

VAI VOLTAR, OU NÃO?

 volta-pra-casa

Em mim um eterno vazio,

Queima o sol, mas sinto o frio.

O sentimento mais emotivo,

Tão breve perdeu o motivo.

 

Por um motivo tão fútil,

Virei um objeto inútil.

O castigo é minha dor,

Na ausência do teu amor.

 

Quisera merecer

A ventura de responder

Essa minha indagação.

 

Pelo pranto que derramei,

Pelo muito que te amei,

Vai voltar, ou não?

VIDA BREVE

vida-breve

Nesta vida, o tempo vem o tempo vai,

E neste vai e vem, perdi o meu pai.

O tempo até parece que voou,

Somente a sua saudade aqui restou.

 

Nesta vida, precede à noite um novo amanhã,

E precocemente se foi a minha irmã.

O tempo nos prometia a eternidade

E ela nem chegou à terceira idade.

 

A minha mãe já não era tão forte,

O tempo prenunciou a sua morte,

Indiferente aos sentimentos meus.

 

Sem ter meus amores de menino,

Aguardo aqui o meu destino,

Do nosso encontro com Deus.

VIDA AMARGA

vida-amarga

Vou levando minha vida a custo,

Aqui e ali um novo susto.

Uma vida de renúncia, de veto,

Sem carinho, amor ou teto.

 

 

Vou seguindo na vida sem um guia,

Perdido na neblina em noite fria.

Cansado, carregando esse meu tédio,

Adormeço na marquise de algum prédio.

 

 

Sigo pela vida sem remorso,

Lutando ao acaso me esforço,

Mas ninguém acredita em mim…

 

 

Sigo nesta vida, um peregrino,

Eu que nunca pude ser menino

Aguardo como herança um triste fim…

VOCÊ NÃO SABE, MAS EU TE AMO!

 voce-nem-sabe-mas-eu-te-amo

Olha, eu sou aquele que você nem sabe,

Mas com um amor que nem me cabe.

Que sonha com você menina

E te procura em cada esquina.

 

 

Olha, eu sou aquele que você nem vê,

Que daria tudo para ter você.

Que contraria até o destino

Pra merecer ser teu menino.

 

 

Olha, às vezes, eu nem sou nada,

Mas te quero como namorada

Por tudo que existe em mim.

 

 

Olha, se um dia ficar sabendo,

Mesmo que eu esteja morrendo,

Por favor, me diz que sim…

VIVER

vivendo-por-viver

Vou vivendo só por viver,

Minha vida é um eterno sofrer.

Já não tenho a quem amar

E nem insisto em procurar.

 

 

Vou vivendo assim a esmo,

À procura de mim mesmo.

Vou em busca do passado,

Quando tinha você ao meu lado.

 

 

Meu viver agora é triste,

O amor já não existe

Em minha vida vazia.

 

 

Meu viver se desespera,

Ele vive só na espera

De uma morte que se adia.

VOLTA!

 volta-pra-mim

Querida, tentei e não me iludo,

Na sua ausência eu fiz de tudo.

Lutei pra te esquecer

E já não sei o que fazer.

 

 

Por você fiz até jura,

Alguém disse: “o tempo cura”.

Longe no tempo e no espaço,

Sem você mais nada faço.

 

 

Amo-te e não tem jeito,

O coração sufoca o peito,

Como se apressando o meu fim.

 

 

Grita, diz que me ama,

Seu coração também me chama,

Grita e volta pra mim.