ANSEIOS D’ALMA

 

Nasci no Rio Grande,

Na bela cidade Natal.

Cresci em cidade grande,

Como o Rio não tem igual.

 

Vivi a minha infância,

Estudando e trabalhando.

Com meu pai na sindicância

E minha mãe me aconselhando.

 

Hoje lhes devo o que sou,

Sou atleta e professor.

Veio a vida e me ensinou,

A ser poeta e prosador.

 

No campo sou artilheiro,

O gol é minha alegria.

Na escola sou companheiro,

Ensinando no dia a dia.

 

Faço poesia por amor,

Agradeço com sinceridade,

Mas é como prosador

Que sou feliz de verdade.

 

Por falar em felicidade,

Veja o que fez o destino,

Casou-me na flor da idade

E tornou-me um peregrino.

 

 

Sofri por longos anos,

Mas veio a separação,

Só conheci desenganos,

Desquitar foi a solução.

 

Agora vivo sozinho,

Sou um homem acabado,

Não tenho sequer um carinho,

No desquite fiquei marcado.

 

Tive outros amores,

Sem achar a solução,

Encontrei amargas dores

E restou a solidão.

 

Já não tenho sentimento,

Sou um pobre desgraçado.

O que resta é fingimento,

Que me fez tão desprezado.

 

Se é isso provação,

Já é tempo de acabar.

Eu fiz tanta oração,

Já nem sei aonde chegar.

 

Peço a Deus nesse momento,

Pelo filho que nos deu,

Que acabe esse lamento

E me leve ao encontro seu.

NOSSO DIA

 

Este não é um dia comum,

Nesse dia nos tornamos um.

Lembro ainda do seu sorriso,

Você me abriu a porta do paraíso.

 

Tenho esse dia na lembrança,

Ele fez renascer a minha esperança.

Hoje passados tantos anos,

Somamos alegrias e desenganos.

 

No início você muito me amava,

Eu também, mas não demonstrava.

Um longo silêncio se abriu em nós,

Embora juntos, ficamos tão sós.

 

Discussões, intrigas, triste amargura,

Você perdeu toda aquela ternura.

Meu orgulho besta procurei perder,

Para poder de novo te merecer.

 

Mas o meu passado te marcou tão fundo

E você resolveu me largar no mundo.

Todo amor que nesse dia teve por mim,

Com o passar do tempo chegou ao fim.

 

Hoje relembro aqui tão sozinho,

O dia mais belo, sem teu carinho.

Volta, diz que o amor não finda,

Volta e diz que me ama, ainda…

DEFININDO VOCÊ

 

Seus olhos? Estrelas que iluminam a estrada,

Esperanças verdes que encontro na jornada.

Seus lábios? Pétalas macias de bela flor,

Quando abertos enunciam palavras de amor.

 

Seu sorriso? É arco-íris saudando o dia,

É como uma criança vibrando de alegria.

Seus cabelos? Ninho perfumado onde me deito,

São fios tão frágeis dispersos no leito.

 

Suas mãos? Gestos delicados na ponta do dedo,

Carinhos que me arrepiam e deixam com medo.

Seus seios? Dois montes de topos rosados,

Na ânsia da espera de serem escalados.

 

Sua boca? Cárcere de tantos beijos,

Que mantém presos os mais ternos desejos.

Seu corpo? Defino de um modo comum,

Seu corpo é uma pista de Fórmula Um.

 

Você? Ora você é o amor

Que nunca pude esconder:

É ternura, é carinho, é o meu renascer!

AMOR EXPLOSIVO

 

Assim eu morro de desejo,

Ferve meu sangue seu beijo.

A alma, qual navio sem porto,

Navega mais longe do corpo.

 

O corpo arrepia de medo,

Você lhe descobre o segredo.

Num toque suave desmaia,

Imagino o conteúdo da saia.

 

As mãos já descontroladas,

Perdidas em mil caminhadas.

Quais bêbadas em visões turvas,

Atropelam suas belas curvas.

 

As roupas espalhadas no chão,

O descompasso em seu coração.

De repente, nociva num pasmo,

Explode num gozo, o orgasmo!

 

Depois de tal plenitude,

O interior é toda quietude.

No contraste de tanta paz,

Um amor explosivo demais…

MINHA MÃE, MINHA VIDA

 

O médico disse: “é evidente

“Seu filho será deficiente”.

“A melhor saída é o aborto,

será um vegetal, um semi morto”.

 

Ela acreditou em mim

E perseverou até o fim.

Quando não tinha mais saída,

Entregou a Deus e deu-me a vida.

 

E um milagre aconteceu,

A criança sadia nasceu.

Orgulho de você eu tenho,

Agradeço ao ventre donde venho.

 

Martha um ser sem igual

Com inteligência genial.

Mãe um ser carinhoso,

Afetivo, bom, justo, generoso.

 

Eu só tenho a agradecer

Por do seu lado crescer

Com você me ensinando.

 

E se pela estrada eu me perder,

E se de tudo eu me esquecer

Continuarei sempre te amando.

 

 

                                         Igor

VIBRAÇÃO

 

 

Vibro quando lhe vejo

No mais incontido desejo,

Fugindo procuro evitar

A ventura proibida de amar.

 

Vibro quando me fala,

Um grito no peito se cala.

Sua voz parece gritar:

“Eu também quero te amar.”

 

Vibro em seus ternos apelos,

Encostando de leve em seus pelos.

Sinto seu corpo vibrar

Na vontade infinita de amar.

 

Vibro ao sentir seu calor,

Esqueço no momento essa dor.

A dor que me faz tão criança,

Esconder esse amor na lembrança.

 

Vibro ao tocar sua boca,

Sentindo uma coisa tão louca.

Mas por mais que eu queira te amar,

Tudo não passa de um breve sonhar.

TODOS OS DIAS…

 

 

Todos os dias quando lhe vejo,

Sinto algo me assumir inteiramente.

Procuro então disfarçar o meu desejo

E fujo desse amor covardemente.

 

 

Todos os dias quando me fitas,

Escondo dentro em mim essa verdade.

Pois têm eles as horas mais benditas

Que refletem essa tal felicidade.

 

 

Todos os dias quando sorri

Lembro meu passado já distante.

Mas esqueço num momento que sofri,

Pois tenho você a todo instante.

 

 

Todos os dias quando lhe falo,

Procuro esconder o quanto amo.

Disfarço num sorriso, a voz eu calo,

Enquanto esse amor por tudo eu clamo.

 

 

Todos os dias quando ela gargalha,

Mostrando esse sorriso tão criança.

Eu busco como pobre uma migalha

Que mantenha bem viva essa esperança.

 

 

Mas todos os dias quando desperto,

E procuro envolvê-la num abraço,

Encontro esse quarto tão deserto,

Que envio todo sonho pro espaço.

TRISTE…

 

 

Triste, é ver-te todos os dias,

Desfilar essa beleza airosa e terna,

Enquanto minhas horas vazias

Aguardam ansiosas a tua espera.

 

 

Triste, é captar teu lindo olhar,

Que passa indiferente ao meu.

Entender que é melhor calar,

Que gritar um sonho que morreu.

 

 

Triste, é ver tua boca num sorriso,

Aberta qual flor que desabrocha.

Esbarrar num rosto sem juízo,

Qual mar na indiferença de uma rocha.

 

 

Triste, é dormir com tua imagem,

Sonhar uma vida de alegria,

Esperando com otimismo uma mensagem

E acordar na mais triste nostalgia.

 

 

Triste, é sentir o seu perfume,

Que a brisa traz no amanhecer,

Sabendo ser inútil o meu ciúme,

Tentando em vão te esquecer.

 

 

Triste, é querer tudo, sem nada,

Apenas mais um na multidão.

Agarrar uma ilusão desesperada,

E morrer sem ninguém, na solidão!

SEUS OLHOS

 

 

Seus olhos verdes, às vezes vermelhos,

Molhados de lágrimas, mirando espelhos.

Trazendo e dizendo as dores no vento,

Levando alegria, deixando um lamento.

 

 

Seus olhos que leram no livro do mundo,

Lições que ensinaram um amor mais profundo.

E hoje perdidos num mar de ilusões,

Procuram em outros as doces visões.

 

 

De tudo que viu e aos poucos sumiu,

Na sinceridade de quem nunca mentiu.

Qual sonho da noite, sereno requinte,

Transforma-se em guerra no dia seguinte.

 

 

Não são da sereia o canto que atrai,

Nem do pescador a manhã que se esvai.

Não são dos campos a brisa serena,

Nem o vendaval que arrasa sem pena.

 

 

Seus olhos verdes que os sonhos conduz,

Errantes disfarçam nosso juramento.

Enquanto no peito a dor de um lamento

Apaga nos olhos o brilho da luz.

 

 

Não buscam dizer palavras já ditas,

Não buscam no mundo o que não existe.

Procuram no tempo as horas benditas,

Negando tristeza ao que já é triste.

 

 

Seus olhos que exprimem a minha alegria,

Que falam de paz pregando harmonia.

Crianças que saltam brincando contentes,

E gritam lembrando seus sonhos frementes.

 

 

Eu quero seus olhos que guardam segredos,

Que falam de nós escondendo os enredos.

Seus olhos que sabem do meu coração,

Que envolvem meu ser de eterna paixão.

SE ME VISSE…

 

Se me visse agora nem acreditaria,

Perdido nas lembranças do nosso ontem.

Ouviria de outros um “quem diria”,

“Ele agora já vive, é outro homem”.

 

Se me visse agora, voltaria correndo,

Voaria daí apressada aos braços meus.

E me encontraria sozinho, sofrendo,

Perdido em mil orações pra Deus.

 

Se me visse agora me abraçaria

Com o mesmo ímpeto daquele dia.

E sei que tudo em mim acalmaria,

Envolto entre seus braços sorriria.

 

Se me visse agora, ah! Se me visse,

Não iria mais ficar tão separada.

Lembraria do amor que sempre disse,

E viria para ser a eterna amada.

 

Se me visse agora mataria o meu desejo,

Acalmaria no peito a minha dor.

Dar-me-ia com carinho um terno beijo

E diria doces frases desse amor.

 

Se me visse agora, alegre e festiva,

Saberia responder quando lhe chamo.

Entenderia que é você a minha vida,

O motivo maior que tanto amo.