TÚNEL DO TEMPO

O Bangu foi o meu primeiro clube profissional (antes estive no Flu, mas atuei na base). Numa época de ouro da sua história, pois o presidente era Euzébio de Andrade (pai de Castor de Andrade), carinhosamente chamado de “Seu Zizinho”. Ele, ao lado de Mário Filho assistiu ao jogo em que jogando pelo Bom Jardim marquei três gols na vitória por 3×2 em Friburgo, conversou com o meu pai que autorizou a minha ida para o Bangu. Mário Filho que dá nome ao Maracanã viria a falecer nesse mesmo ano de 1.966, ano em que o Bangu foi campeão carioca em cima do Flamengo na vitória por 3×0 no Maraca. Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luiz Alberto, Ari Clemente, Jaime, Ocimar, Paulo Borges, Bianchini, Aladim (cujo apelido era “cabeça de porco”, mas ele não gostava) e tantos outros. Naquela época tinha a disputa do campeonato de aspirantes na preliminar da primeira divisão com outros craques que se misturavam aos juvenis. Assim disputei nas duas categorias com Sidiclei, Bicas, Milano, Dirlei, Dé, Jorginho, Ivan, Santa Cruz e vez em quando ganhava 10 minutos contra os pequenos na divisão principal. Nesta disputa estava o Canto do Rio de Niterói, o Bonsucesso, Olaria, São Cristóvão, Madureira, Campo Grande…

Hoje o Bangu aniversaria (17/04) e eu não poderia deixar de prestar a minha homenagem a esse clube que foi campeão em 1.933 e 1.966 no Rio de Janeiro e que me deu tantas alegrias nesse período de grande sucesso e muito orgulho de ter sido levado para Moça Bonita pelo melhor presidente que passou pela sua história: Euzébio de Andrade.

Na foto durante um treino coletivo com o mito Ubirajara, Neco, Benício e Jair.

gilson_lira_bangu_1968